Sobre a cobertura

Vou falar um pouco sobre a cobertura do Morumbi. Ela é inspirada em uma roda de bicicleta, com todas aquelas hastes que serão cabos de aço que vão dar sustentação à cobertura.Na parte lateral do estádio vão as colunas em V.  A cobertura custará R$ 120 milhões e já tem a empresa que vai fazer (o nome é em alemão e não consegui anotar)

Reparem que a cobertura é assimétrica, sendo maior de um lado e menor de outra. Isso é porque do lado do portão 1 será feito aquele outro projeto, podendo criar uma área menor para shows. É o que o São Paulo chama de Arena 25 mil.

Outro detalhe a frisar é a mudança do modo de acesso ao anel intermediário e superior do lado da Giovanni. As rampas serão demolidas e a entrada no estádio será feita por meio de escadaria. Essa será uma parte mais nobre do estádio, por isso não terá rampas.

O São Paulo fez questão de destacar que não irá elitizar totalmente o Morumbi. Que haverá ainda espaço para os torcedores com menor poder aquisitivo.

Novo projeto do Morumbi

Novo projeto do Morumbi

Anúncios

Imagens do novo Morumbi para 2014

Acabei de chegar da apresentação que aconteceu do projeto do Morumbi hoje em São Paulo. O local escolhido é a sede do comitê paulista da Copa, em um prédio no Itaim Bibi. É um local onde funcionam alguns órgãos do governo do estado de São Paulo.

Com os depoimentos do Blatter sobre o Morumbi, a apresentação estava super concorrida. Praticamente todos os canais de televisão, rádios, jornais e sites estavam presentes. Para saber como o São Paulo e o comitê viram as críticas da Fifa.

O discurso é mais ou menos o mesmo adotado nas últimas vezes. Sem rebater, apenas dizendo que vamos adaptar tudo o que a Fifa pedir. Que é normal que a Fifa faça exigências a toda hora, etc.

A parte mais importante do projeto, que é o edifício anexo e a reforma da praça já mostramos aqui. Agora, o que temos são imagens do projeto em si. Vou tentar conseguir um PDF gigante que o representante da GMP mostrou e que lá tem detalhados todos os mínimos detalhes. Agora, vamos para as imagens que é o que todos mais esperaram.

Depois, vou selecionando algumas notícias com detalhes do que foi dito. O que dá para dizer é que o representante da GMP, Ralph Amann, afirmou que todos os projetos da empresa sempre atendem à 100% das exigências da Fifa. Vale lembrar também que o São Paulo contratou a empresa a pouco tempo.

Novo projeto do Morumbi

Novo projeto do Morumbi

Corte

Corte

novomorumbi04

novomorumbi03

Entorno

Entorno

Entorno

Entorno

anexos02anexos04anexos06
anexos07

Especial Morumbi-14: a nova área externa – Lancenet – 29/9

Na véspera do dia da reunião da Fifa no Rio de Janeiro, o Lance divulgou em seu site mais uma parte do novo projeto do Morumbi. Dessa vez, o jornal mostrou o projeto da área externa do Morumbi.

Pelo que dá para ver foi escolhido um projeto diferente ao do Ruy Ohtake, mais parecido com o que eu já mostrei aqui faz algum tempo. Não dá para saber ao certo quantas vagas vão existir ai para a Copa e também para depois. Mas, parece que o número de vagas será bastante reduzido. Isso deve visar a viabilidade do estacionamento pós Copa.

Confira a matéria do Lance

Especial Morumbi-14: a nova área externa

Veja as alterações projetadas pelo São Paulo para atender as exigências da Fifa para o estádio

Para adequar o Morumbi para a abertura da Copa do Mundo de 2014, a preocupação do São Paulo não é só em ajustar a parte interna. A área externa também é uma exigência importante da Fifa.

No novo projeto – que o LANCENET! mostra com exclusividade em uma série de reportagens que começou na última segunda – uma extensa área para abrigar caminhões para transmissão dos jogos e um estacionamento foram reservados em frente ao estádio. Do lado direito, que hoje abriga carros da imprensa e da polícia em dias de jogos, uma área será destinada para 32 unidades móveis das emissoras que transmitem a Copa.

Mais atrás, entre a avenida João Jorge Saad, que dá acesso à praça Roberto Gomes Pedrosa, um estacionamento será construído com cinco pavimentos. O objetivo desse espaço é acomodar a “Vila de Hospitalidade”, local para que os patrocinadores do Mundial montem estrutura para recepcionar os torcedores.

PLUS A área externa para o Morumbi em 2014

O estacionamento, durante os jogos da Copa, não será usado para o público em geral. Serão cerca de 500 vagas destinadas aos convidados.

O estacionamento ainda terá outro atrativo: no quarto pavimento vai abrigar uma estação do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), o que vai permitir que o torcedor saia do aeroporto de Congonhas, por exemplo, e use o transporte até o Morumbi. Como são obras externas, os estacionamentos para a imprensa e para os convidados, dependem da ajuda dos Governos Estadual e Federal.

O São Paulo negocia para que as obras sejam aprovadas e iniciem rapidamente. Depois da Copa, o espaço que abrigará os patrocinadores será utilizado como estacionamento para os dias de jogos no Morumbi, com mais de 1.500 vagas. Hoje, este é um dos maiores problemas do estádio.

Kassab: “Belo Horizonte e Brasília podem esquecer. A abertura da Copa será em São Paulo. Eu garanto.” – Cosme Rimoli (R7)

Eu nem sabia que o Cosme Rimoli estava com seu blog agora no R7 (da Record). Nunca confiei muito em seus posts quando estava no UOL. Mas, ele “fez” uma entrevista com o prefeito Gilberto Kassab, que garantiu a ele a abertura da Copa de 2014 no Morumbi. Segue a entrevista:

paris_cosme_rimoli

Gilberto Kassab. Prefeito de São Paulo. Em entrevista exclusiva ao blog ele esclarece um dos grandes mistérios do futebol brasileiro. Ele antecipa: já está acertada a reforma do Morumbi. Os cerca de R$ 250 milhões virão da iniciativa privada. E o estádio será palco do primeiro jogo do Mundial de 2014. Palavra de Kassab.

Prefeito, o senhor está preocupado com a concorrência. Belo Horizonte ou Brasília poderão sediar a abertura da Copa no Brasil?

De jeito nenhum. São Paulo sediará a abertura da Copa do Mundo. Está tudo certo. As pessoas podem falar o que quiser, mas ninguém tira a abertura da Copa em São Paulo. Essa já é uma decisão que já está tomada.

Como o senhor pode ter essa certeza? O Morumbi precisa ser reformado. A diretoria busca dinheiro e ainda não conseguiu…

Estou acompanhando tudo de perto. A diretoria do São Paulo já conseguiu o dinheiro. O Morumbi será inteiramente reformado. Ficará da maneira que a Fifa exige. Ninguém tirará a abertura da Copa de São Paulo. Não será construído novo estádio. Será no Morumbi.

Mas o senhor acha certo o Morumbi ser reformado com o dinheiro do BNDES?

A boa novidade é que o dinheiro não virá do BNDES. Já estive em contato com a diretoria do São Paulo. Posso antecipar a você que o dinheiro virá dos patrocinadores. Integralmente. Os contatos aconteceram recentemente. Será a iniciativa privada que bancará a reforma do Morumbi. Isso será ótimo para todos.

Prefeito, o senhor garante que não haverá um centavo de dinheiro público nesta reforma?

Posso te garantir que não. Nem a prefeitura de São Paulo, nem o BNDES ajudará. O dinheiro virá dos patrocinadores. Será ótimo para todos. Não há a menor chance de a abertura da Copa ir para Belo Horizonte ou Brasília.

Podem esquecer.

Será em São Paulo.

E no Morumbi.

LANCENET! desvenda projeto do Morumbi-14 – Lancenet – 28/9

plantaprediomorumbi

Bom, já faz algum tempo que sabemos que o Morumbi terá um edifício de apoio anexo. O site do Lance divulgou nesta segunda-feira mais detalhes (são três matérias)

Confira:

LANCENET! desvenda projeto do Morumbi-14

Em prédio anexado ao estádio é que o São Paulo pretende cumprir várias obrigações de caderno

Um dos documentos mais cobiçados da preparação brasileira para sediar a Copa do Mundo de 2014 começa a ser decifrado nesta segunda-feira pelo LANCENET! A reportagem teve acesso, com exclusividade, ao projeto enviado pelo São Paulo e o Governo do Estado à Fifa, para que o Morumbi receba a partida de abertura do Mundial.

Desde que o país foi confirmado como sede, o estádio é o principal alvo de polêmicas e críticas do francês Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa. Ao longo do mês de setembro, o clube garante ter resolvido as irregularidades apontadas. Na 16 das 28 páginas que compõem o projeto, assinado em parceria pelo arquiteto Ruy Ohtake e o escritório alemão GMP, encontra-se uma das principais novidades. O prédio, sugestão dos alemães, que será construído anexado ao Morumbi, atrás dos setores vermelho e amarelo. Nele, o São Paulo espera alocar várias das obrigações contidas no caderno de encargos da Fifa e ressaltadas pelo secretário. A área total do edifício terá 21 mil metros quadrados e seu custo estimado é de cerca de R$ 20 milhões.


Durante o Mundial, os sete andares receberão aspectos essenciais do caderno de encargos da entidade: o Stadium Media Center (SMC), espaço da imprensa, ocupará quatro andares. Haverá também os camarotes destinados a autoridades e convidados (VIPs e VVIPs, os mais importantes), sempre com acesso às respectivas tribunas.

Em resumo, o setor vermelho do Morumbi, durante um mês, será praticamente todo dedicado a jornalistas e celebridades.

– Os “very VIPs” ficarão no meio das cativas vermelhas, no melhor lugar do estádio. A princípio, são quase 200 lugares, cercados por VIPs de parceiros comerciais. A Fifa pode pedir mais lugares, nós arrumamos – explica o diretor-jurídico do São Paulo, e um dos coordenadores do projeto, José Francisco Manssur.

Uma das reclamações da Fifa era de que os jornalistas demorariam cerca de nove minutos para chegar à zona mista e à sala de entrevistas coletivas. No projeto reformulado, o Tricolor afirma que o trajeto é feito em aproximadamente um minuto, já que dois elevadores ligam os três andares da imprensa ao subsolo, onde haverá o contato com os jogadores. O projeto prevê vagas para 411 carros e 554 demais veículos, relacionados a integrantes do evento (delegações, autoridades e convidados).

Veja planta de prédio para Morumbi-2014

Projeto do prédio anexo ao Morumbi que o LANCENET! teve acesso

Subsolo
A entrada das delegações será feita pelo novo prédio. Abaixo do nível do campo, ficarão ainda a área para zona mista e a nova sala para coletivas de imprensa. Segundo dirigentes, o acesso dos jornalistas ao local poderá ser
feito em menos de um minuto. Há ainda estúdios e depósitos.

1º andar
O pavimento terá camarotes para convidados VIPs, além de áreas livres, identificadas na cor cinza no projeto, para que a Fifa possa utilizar de acordo com suas necessidades. O acesso dos carros aos camarotes VIPs também será feito neste piso, pela Rua Laudo Natel.

2º andar
Será o andar administrativo durante a Copa do Mundo. Toda a área está reservada para escritórios da Fifa, além de camarotes (chamados “lounge” no projeto), onde ficarão autoridades da entidade. Neste nível, hoje, encontra-se o Memorial, que será totalmente destruído.

3º andar
É um dos espaços mais importantes, onde ficarão os chamados VVIPs (Very VIP), as mais importantes autoridades, como o presidente da Fifa, Joseph Blatter. Internamente, há os camarotes dos VVIPs, além de acessos às tribunas de honra, que ficarão nas atuais cativas vermelhas.

4º andar
Primeiro pavimento do Stadium Media Center (SMC). Terá acesso direto às atuais arquibancadas Visa, onde ficarão os jornalistas em 2014. É ligado à área dos caminhões de TV (capacidade para 32) e à entrada principal da imprensa. A área total deste andar é de 3,23 mil metros quadrados.

5º andar
Área total de 1,675 mil metros quadrados. Estará nivelado ao topo do edifício-
garagem já existente, que ficará ao lado e terá 28 vagas para os VVIPs. O hall das autoridades ficará no novo prédio, porém, sem acesso dos jornalistas, para que não sejam abordados nos dias das partidas.

6º andar
Assim como o andar inferior, não tem acesso direto às cabines da imprensa. Também servirá para que os veículos de comunicação tenham suas redações móveis. O acesso será feito por dois elevadores. Primeiro nível do prédio que está acima do edifício-garagem localizado ao lado.

7º andar
Último andar do novo prédio, tem acesso às cabines localizadas nas arquibancadas. No total, o SMC terá capacidade para 480 comentaristas, 100 fotógrafos, 375 observadores e 2 mil repórteres. Serão quatro estúdios de oito
metros quadrados, e oito de apresentação de programas de TV.

Morumbi terá ‘novo’ prédio após a Copa


Clube prepara alterações definitivas no estádio

O novo prédio sugerido pela GMP, responsável por cinco estádios, se somadas as Copas da Alemanha, em 2006, e da África do Sul, em 2010, agradou à direção do São Paulo pelo leque de possibilidades que se abre para depois do Mundial de 2014.

O departamento de marketing vê a obra com forte potencial de captação de recursos, necessários também para o pagamento do empréstimo do BNDES. Após a competição, todo conteúdo interno será retirado.

A imprensa, por exemplo, voltará a ocupar uma área com menor demanda. Durante a Copa, os jornalistas serão posicionados onde, hoje, estão as arquibancadas com cadeiras tricolores, no setor Visa. Também não será preciso abrigar tantos camarotes para autoridades nem escritórios da Fifa. O clube já negocia para que um hotel e um centro de convenções sejam construídos dentro do edifício de sete andares.

Por outro lado, algumas modificações do projeto enviado à Fifa serão mantidas após a competição. Os ônibus com as delegações das equipes, por exemplo, não entrarão
mais pelo portão principal. Entrarão pela Avenida Giovanni Gronchi, por debaixo do novo prédio.

Outra mudança importante diz respeito aos vestiários, que também irão para o centro do gramado. Cada um terá 352 metros quadrados, cercados por salas de técnicos, áreas de aquecimento e vestiários dos árbitros. De lá, os atletas terão acesso ao túnel que os levará, juntos, para o gramado. Após a Copa, um dos vestiários será dividido em dois para que o Tricolor tenha um maior.

Secretário da Fifa critica estádio do Morumbi e se preocupa com aeroportos para Copa-2014 – O Globo – 28/9

o-globo
Nos últimos dias ando meio sumido do blog. É que além de ter pouca informação de fato relevante, estou vendo se transformo o blog em um site para ser mais completo.

No domingo de noite, no Fantástico, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, entre outros assuntos comentou sobre a Copa de 2014. Dizendo que São Paulo deveria definir logo se quer ser a abertura da Copa ou receber jogos de menor importância. O dirigente está no Brasil para participar da reunião do Conselho Executivo da entidade.

Ontem, essa declaração me pareceu uma forma de jogar a “batata” do Morumbi para o comitê paulista. É fato, já que ouvi de algumas pessoas e depois surgiu na mídia, que uma das intenções era que a Fifa vetasse o Morumbi. Só que com tanta informação surgindo, com o SPFC contratando a GMP e fazendo mudanças no projeto, ia ficar complicado. Além disso, a cidade voltou a dizer que não tem plano B. Ou seja, teria que ser o Morumbi.

Ao dizer que a cidade precisa decidir o que quer, a Fifa sabe que São Paulo não abre mão da abertura. Com isso, poderia surgir uma pressão para que os próprios representantes da candidatura paulista pensassem em substituir o Morumbi.

Mas, a entrevista mais interessante a mais importante de todas foi dada pelo Jerome Valcke ao jornalista do O Globo (o mesmo que foi assessor de imprensa da Fifa e titular da coluna Panorama Esportivo).

É bastante evidente que as críticas que ele fez naquela vez na África do Sul foram feitas antes mesmo de ele ler o novo projeto. Tanto que ele mesmo fala que foram feitas mudanças relevantes, mas que algumas coisas ainda precisam ser feitas. O que é natural.

Valcke fala que é fácil o São Paulo adaptar o estádio às exigências da Fifa, que basta melhorar a visão para o campo, fechando o estádio por algum tempo. Ele também diz que o estádio não será vetado, mas que do jeito que está não dá para receber a partida de abertura, nem das semifinais. Mas que estaria liberado para qualquer jogo da fase de grupos.

É evidente que a Fifa fará novos pedidos e que o São Paulo terá de fazer as mudanças. Pelo menos, no que parece, a entidade não vetará o estádio do Morumbi.

Confira a entrevista de Jerome Valcke ao O Globo:

Secretário da Fifa critica estádio do Morumbi e se preocupa com aeroportos para Copa-2014

RIO – De sua sala de trabalho, com vista para o mar de Ipanema, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, olhou para a faixa de areia lotada de gente, no fim da manhã ensolarada de sábado de primavera, para exemplificar dois dos pontos que considera cruciais para o sucesso da Copa do Mundo-2014, no Brasil. Ambos têm a ver com o fluxo turístico.

– A principal preocupação em relação ao Brasil é aeroporto. Não há bons aeroportos. Meu sentimento é que muita gente vai querer vir ao Brasil, em 2014. É um lugar especial, um país magnifíco. Por isso, eu penso também que a coisa mais difícil, o pior de conseguir, serão os ingressos. Esses dois pontos estão ligados. Conheço muita gente que me diz que vir ao Brasil durante uma Copa do Mundo é algo já marcado na agenda. Então, precisamos cuidar bem desses temas – afirmou o francês de 49 anos, que, para receber O GLOBO, trocou o habitual terno das reuniões e aparições em público por camisa pólo, calça e tênis.

Valcke está desde a última sexta-feira no Rio, juntamente com o presidente da Fifa, Joseph Blatter, e os outros 23 dirigentes mais importantes da entidade. Eles vieram participar da primeira reunião do Comitê Executivo realizada no Brasil, na próxima terça-feira. Curiosamente, a Copa do Mundo-2014 no país não está na agenda, com foco para o Mundial-2010 e Olimpíadas-2012, mas Valcke não deixa de trabalhar no assunto em reuniões e encontros particulares com Ricardo Teixeira, presidente da CBF e do Comitê Organizador.

Fifa pede mais mudanças no projeto do Morumbi

Outro assunto tratado com Teixeira logo na chegada foi a reforma do estádio do Morumbi, em São Paulo. As críticas de Valcke ao projeto, reveladas pelo GLOBO em 1° de junho passado, provocaram duras reações do São Paulo Futebol Clube. Valcke confirmou que a Fifa pediu ao Comitê Organizador mais modificações no novo projeto do Morumbi, como antecipou a coluna Panorama Esportivo de 29 de agosto.

A Fifa não está exigindo algo diferente para São Paulo. Está exigindo o que exige em qualquer Copa do Mundo, em qualquer Mundial Sub-20

– Por exemplo: a linha de visão do espectador não é boa. É fácil mudar isso: feche o estádio por um período de tempo e faça esse trabalho. Na abertura da Copa, precisamos de mais espaço para o serviço de hospitalidade, mais espaço para a imprensa, porque é um jogo mais procurado do que qualquer outro, exceto a final – informou.

Folheando um relatório intitulado “Bons exemplos para o stádio do Morumbi“, elaborado por técnicos da Fifa, o francês acrescentou que as pessoas encarregadas da reforma fizeram relevantes modificações do primeiro para o segundo projeto e atenderam a algumas das exigências da Fifa. Mas ainda não são suficientes para sediar o jogo de abertura do Mundial:

– Este relatório fala de tudo: da capacidade, da visão do torcedor, do setor de hospitalidade, do campo. Eu não estou me baseando em um relatório de leigos. Estou me baseando em pessoas que são especialistas e que trabalham com isso não apenas para a Fifa. Essas pessoas trabalharam em cima das fotos, dos planos, dos detalhes, das informações com o objetivo de atingir todas as exigências que temos sobre estádios.

O dirigente foi além e confirmou que o estádio tem problemas até para a transmissão de TV:

– A câmera principal (número 2), que foca no centro do gramado, normalmente tem que ficar a 75m dali. No Morumbi, a distância proposta é de mais de 100m. Tecnicamente falando, é querer pôr uma imagem não tão boa quando seria a 75m. Há muitas outras pequenas coisas como esta. A Fifa não está exigindo algo diferente para São Paulo. Está exigindo o que exige em qualquer Copa do Mundo, em qualquer Mundial Sub-20…

Valcke acredita que não tem cabimento a afirmação feita por dirigentes da candidatura paulista de que a cidade de São Paulo só foi informada claramente do que a Fifa quer na reunião de agosto passado, no Rio.

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. Foto Alexandre Cassiano / Agência O Globo

– É injusto criticar ou atacar o que estamos falando. Todas essas exigências estão no Caderno de Encargos, que foi enviado, estudado e assinado pelo Brasil desde a vitória da candidatura, (em outubro de 2007).

O dirigente também usou de ironia para comentar acusações que leu em jornais e websites brasileiros, divulgadas por pessoas ligadas à candidatura paulista.

– Esses dois meetings da Fifa com as cidades-sedes (em junho e em agosto) aumentaram minha popularidade no Brasil, especialmente em São Paulo.

Entendo que o futebol no Brasil é paixão. Mas faço o que tenho que fazer na minha posição de responsável pela Copa do Mundo

– Eu tenho lido que sou um investidor de construtoras. Eu lamentei ao Ricardo por eu estar sendo visto em todo lugar (de São Paulo) como um cara mau. Eu lamentei ao Ricardo ter lido nos jornais e em websites até que sou o cara responsável pelo caso Mastercard (a Fifa pagou U$ 90 milhões de indenização por ter errado na negociação para assinar com a administradora Visa). Entendo que o futebol no Brasil é paixão. Mas faço o que tenho que fazer na minha posição de responsável pela Copa do Mundo, como disse o presidente Blatter. Minha responsabilidade na Fifa é de fazer sempre a melhor Copa do Mundo.

Jérôme Valcke acredita que suas críticas não foram entendidas pela candidatura paulista. E repetiu que jamais disse que o projeto de reforma tiraria o Morumbi da Copa-2014.

– De novo, para ser claro: quando se fala de Brasil você não pode imaginar que haveria uma Copa do Mundo sem jogo em cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Mas existe uma diferença entre receber o jogo de abertura, as semifinais, a decisão do terceiro lugar e a final. O projeto do estádio do Morumbi pode receber qualquer jogo da fase de grupos. Qualquer um. Mas se a questão for receber o jogo de abertura ou alguma semifinal, porque a final deverá ser disputada no Maracanã, o Morumbi não atende a todos os requisitos. Isso é bem simples. Não estamos falando que o Morumbi não é um estádio para a Copa do Mundo. Estamos falando que não é para a abertura ou para as semifinais.

O dirigente disse ter recebido apoio integral de Ricardo Teixeira, mas jurou que é a última vez que falaria sobre o estádio do Morumbi nesta viagem:

– Se houver alguma pergunta na entrevista coletiva de terça-feira ou até se o presidente Blatter me pedir, eu direi: “Desculpe-me, presidente, mas não responderei a mais nenhuma pergunta sobre o Morumbi”.

Valcke elogiou a preparação brasileira e acredita que está num bom caminho, considerando a maioria dos projetos das 12 cidades como “bons planos”. E citou o do Maracanã.

A maioria dos 12 estádios está no rumo certo

– A maioria dos 12 estádios está no rumo certo. Se falarmos do Maracanã, eles vão fechar o estádio no fim deste ano por dois anos. Eles têm muito a fazer, mas basicamente, pelo que temos visto, nossos técnicos estão totalmente satisfeitos – acrescentou.

O dirigente ressaltou que a Fifa tem enorme interesse nas ações humanitárias e recomendou ao presidente Lula, aos ministros e a Ricardo Teixeira decidirem metas para o legado que a Copa deixará para o Brasil e potencialmente para a América do Sul.

– Eu sei que eles já têm um plano para a Amazônia. Significa que esta Copa do Mundo no Brasil deve ser conhecida como “A Copa do Mundo verde”, com emissões zero. Mas precisamos usar todas as pessoas que amam o futebol, até as pessoas das favelas, no sentido de dar-lhes uma chance, dar uma chance às pessoas que precisam trabalhar. Soube que alguns presidiários poderiam ser usados também. É isso que eu desejo do presidente Lula. Nós temos que nos sentar com ele para discutirmos as diferentes campanhas que poderemos fazer, mas deverão ser muitas, eu acredito. É o que temos feito na África do Sul. Lá, será um país depois da Copa do Mundo, com muitas mudanças significativas em curto período – encerrou Valcke.

Painel FC – Folha de S. Paulo – 25/9

Sexta-feira sem muitas notícias. O dia 30 vai chegando e vamos saber qual é a posição oficial da Fifa sobre o Morumbi. No sábado, quero ver o que sairá na coluna Panorama Esportivo. O titular dela já foi assessor de imprensa da Fifa e é bem informado. Por ele que saem quase todas as notícias negativas do Morumbi.

O que saiu de interessante nesta sexta-feira é uma nota sobre uma articulação entre Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero (presidente da Federação Paulista de Futebol) para trazer para São Paulo um seminário da Copa do Mundo de 2014, que contaria com a presença do presidente da Fifa, Joseph Blatter.

A publicação aponta essa articulação como um apoio da CBF à sede paulista após os ataques da Fifa ao Morumbi.

Veja o que saiu no Painel FC

Entrosados

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, esteve ontem na Federação Paulista de Futebol. Trata com o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, e a Comissão de Esportes e Turismo da Assembleia Legislativa de São Paulo de um seminário sobre a Copa do Mundo de 2014. A ideia é fazer o evento na própria assembleia, nos dias 9, 10 e 11 de novembro, e trazer o presidente da Fifa, Joseph Blatter. A articulação é vista como apoio da CBF à sede paulista do Mundial após os ataques da Fifa ao projeto do estádio do Morumbi.


Mimo. Ao chegar à sala da FPF onde houve o encontro, Teixeira ficou surpreso ao ver placa com seu nome na porta. O presidente da CBF também foi recepcionado pelo presidente palmeirense, Luiz Gonzaga Belluzzo, e pelo deputado Vicente Cândido (PT).