Atacado, Morumbi adota tom diplomático – FSP – 1/10

O que a Folha traz na matéria sobre o evento de ontem é aquilo que já notamos faz algum tempo. O São Paulo tem adotado uma postura mais diplomática mesmo. O próprio vice-presidente de marketing, Adalberto Batista, já admitiu faz algumas semanas que o projeto antigo era maquiagem e agora as coisas estão mais bem encaminhadas.

Vendo tudo o que tem no prédio anexo ao estádio, fico pensando que no projeto antigo não devia ter quase nada. Por isso acredito que com mais tempo para trabalho será possível se adequar ao que a Fifa quer para ser abertura em 2014.

Atacado, Morumbi adota tom diplomático

Dirigentes evitam atritos após críticas de Blatter

O comitê paulista da Copa de 2014 adotou discurso diplomático depois de o presidente da Fifa, Joseph Blatter, ter dito em visita ao Rio que o Morumbi não teria condições, hoje, de recepcionar o jogo de abertura e tampouco uma semifinal.
A nova atitude contrasta com manifestações passadas. Quando Jérôme Valcke, secretário- -geral da Fifa, criticou o Morumbi, foi acusado por dirigentes do comitê de estar envolvido com empreiteiras.
Durante evento de apresentação do comitê paulista, ontem, o presidente da São Paulo Turismo, Caio de Carvalho, deu razão à preocupação da Fifa.
“A Fifa tem o direito de exigir [condições para quem queira receber a partida de abertura]. Trata-se do cartão de visita do Mundial, por isso a Fifa quer o melhor”, definiu Carvalho.
O presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, preocupou- -se com a impressão de que o evento de ontem parecesse uma resposta à crítica de Blatter, segundo a Folha apurou. Mas se tranquilizou ao saber que os convites foram feitos na semana passada, antes de Blatter desembarcar no país.
“Com ou sem abertura da Copa, o compromisso do São Paulo é o de que as obras irão acontecer”, disse Adalberto Baptista, diretor de marketing são-paulino, ao reconhecer a chance de a primeira partida do Mundial ser em outro local.
“Até porque não daria para ficar esperando até 2011, quando será definido onde a abertura ocorrerá, para só então tomar decisões quanto à reforma do Morumbi”, complementou.
O corpo técnico do projeto acompanhou o discurso conciliador dos dirigentes, ao defender diálogo regular com a Fifa. “O processo de atender às exigências da Fifa não é estático, é dinâmico”, falou Ralf Amann, arquiteto da firma alemã GMP, responsável pelo projeto do Morumbi e por estádios na Alemanha-06 e África do Sul-10.
“O processo é de ida e volta. Na África, ainda há exigências, a menos de um ano da Copa.”
Por fim, Carvalho comparou a situação atual com a anterior do estádio na discussão da Copa. “”No começo, São Paulo e o Morumbi estavam vetados. Mudou. Agora a gente tem que se adaptar. Melhorou, e tem muita coisa por acontecer.”
O comitê paulista mostrou ontem à imprensa um projeto com respostas à maioria das exigências da Fifa, com centro de imprensa, área para convidados, novos vestiários e acessos ao gramado. Por ser antigo, o Morumbi foi comparado, por diversas vezes durante o evento, ao estádio de Berlim, usado na Copa do Mundo de 2006.

2 Respostas

  1. Gabriel, parabens pelo Blog! Conteúdo completo, detalhes técnicos, informações de bastidores que nao vemos em nenhum outro lugar, e muitas notícias em primeira mão!

  2. Gabriel, o que o secretário da FIFA quis dizer quando fala da linha de visão, abaixo está um trecho da entrevista:

    “Por exemplo: a linha de visão do espectador não é boa. É fácil mudar isso: feche o estádio por um período de tempo e faça esse trabalho.”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: